terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Achaques de Inquietação

- Não se inquiete com minha inquietação.
- Como queiras. Mas, se havia alguma mensagem submilinar em suas palavras, por favor,  traduza-as  com claridade para mim. Prefiro palavras bem ditas e benditas. Estou fechando um ciclo. O coração que não me para. Cabeça zonza de tanto pensar.
- Por que a gente é assim?
- Viverei de minha aposentadoria apenas. "Vou-me para Pasárgada!"
- Ontem conversava justo sobre isso.
- Donde repousará meu coração.
- A cabeça não pára. Desafia o destino e o tempo. Erra sozinho. Me culpo!
- Para comigo não tens qualquer dívida.
- E o projeto Tejo? Desistiu?
- Jamais! Se vivo aqui com dificuldades, viverei por lá com as mesmas dificuldades. Mas, me contentarei com o que tenho. Não quero mais. Viverei modestamente, mas, com dignidade e em paz. Valorizarei coisas menores.Viver o agora já é boa coisa. Mas, a culpa também me bate, como a você. Mas, sabe? Sinto-me orgulhoso do meu fracasso.. É o fracasso de quem se lançou! Vivi!
- "Viver o agora já é uma boa coisa". Acrescento: neste século.
- Lanço-me mais uma vez. Muitas mudanças.
- Ia dizer que soa auto-ajuda folhetim. Osho. Tenho preguiça com "literatura" (?) auto ajuda.
- Eu a pratico.
- Seus textos fogem disso. Que fique claro! Têm uma cidez que gosto.
- Mas, fico me perguntando se a tal síndrome de Polyana não me seria uma mentira. Se não suporto nem o Paulo Coelho!
-Engraçado você não perceber isso. Ou percebe?
- Acidez? Acho que não. Acho que sim.
- Acidez + humor.
- Sei que preciso melhorar a minha escrita... e muito.
- Isso que digo.
- Mas, sou feliz na maior parte do tempo. Até a minha dor e decepção me faz parte, me completa. Olho-me com candura, confesso!
- Mas não estou a fazer ode à amargura. Não!
- Acho que sempre fui irresponsável comigo mesmo. Tentarei cuidar melhor de mim. Sinto necessidade desejosa de me contentar. Saio daqui com duas malas, apenas.
- Não tem como não amar dialogar com vosmicê!
- Só você mesmo!

Wanderley Lucena






Um comentário:

Unknown disse...

Dizer o quê? Só depois que olhos secarem. Lindo.