quinta-feira, 23 de março de 2017

Manhã de Rotina

O sol brilhava forte e cálido por entre as frestas das cortinas. A cama insistia em não querer que o corpo lhe largasse. Mas, a lembrança do cheiro do café matinal que ele mesmo fazia o fez levantar-se com algum esforço. A água foi posta ao fogo e a coleira foi posta no shitsu. O elevador chegou desceram para o parque em frente ao condomínio. O shitsu fez as suas necessidades enquanto ele tentava manter os olhos abertos ante o sol que já ia alto. Na bodega comprou as broas de milho que tanto apreciava e subiu o elevador. A água já fervia e desceu pelo coador a cobrir o pó do café que exalou o cheiro tão brasileiro. Na televisão as primeiras notícias trazem notícias ruins do velho continente. Londres foi atacada. O horror e a loucura do terrorismo islâmico, mais uma vez, fazia sangrar a jugular inglesa. O jato de água do chuveiro ajudou a tirar a cara de sono. Já tomava o café quando lembrou-se que sonhara com o mar. As águas azuis e transparentes, o som das ondas e a companhia de bons amigos que sequer se lembrava quem eram. Escolheu uma roupa legal e se vestiu, e se perfumou, e arrumou o cabelo, e se foi. Para donde não importa. Mas, importa que se foi. E depois, quem sabe, ele conta para donde!

Wanderley Lucena

Nenhum comentário: