quarta-feira, 13 de maio de 2015

A HIPOCRISIA DO DISCURSO

Creio que a grande frustração de um artista é perceber a hipocrisia daqueles com quem é obrigado a conviver e que o julgam um depravado por sua livre expressão. O mesmo se passa com intelectual - e eu não o sou, nem intelectual, quiçá, artista - que se aborrece com o ignorante ao ponto de, simplesmente, deixá-lo a falar sozinho.

É um incômodo permanente perceber que a falta de bom gosto é desequilíbrio e ouvir que "gosto é gosto, cada um tem o seu". Permanecer num diálogo que não trará frutos é um verdadeiro infortúnio. E há aqueles que, como eu, por muitas vezes, insiste em tentar. E, na maioria das vezes, fica o desgaste, o dissabor, a frustração. E o ignorante sair dizendo que você é um "metido" e que o está a discriminar. Francamente!

É como discutir religião. Quando o religioso percebe que você não se converterá ao seu pensamento ele logo pronuncia: "religião não se discute". Eu digo que, se as partes são adultas e inteligentes, discute-se qualquer assunto, até futebol. E ambos têm que sair do diálogo valorados pela experiência frutífera de falar e ouvir. 

Pior, é perceber-se julgado por quem ouve e saber que, no fundo - mas, nem tão fundo assim - aquele indivíduo é igual, senão, inferior a você. E, bem sei, somos todos hipócritas mesmo, inclusive, este que ora escreve!

Wanderley Lucena



Um comentário:

Eduardo Martínez disse...

Lucena, Meu Amigo Peralta, com certeza, você bem mais que nós, passa por situações assim! No entanto, Wanderley, admita que você está errado! Ao menos uma vez na vida admita que você está errado! Ou será que isso é muito difícil só porque isso tudo é seu? Hi, hi, hi, hi!!! Saudade demais de você, da Maria, da Quitéria, do Brhama, da piscina e até mesmo do Juliel! Abração!!!