sábado, 3 de março de 2012

MIGUÉ, ONOFRE E ARMANI


- Ocê quer arco, quer tarco, ô quer cu mui - pergunta o Migué barbeiro lá pras corrutelas do Pernambuco.

- Você vai quer com álcool, com talco ou quer que eu umedeça? - Pergunta o elegante barbeiro na Barbearia do Onofre, no Planalto Central.

- Óh o aio ai ó! hó o aio ai! - grita o vendedor de cordas de alho em frente à barbearia do Migué.

- Olha o alho! Quem vai querer comprar alho - é aveludada voz de Silvio Santos impostada do vendedor de alhos na Barbearia do Onofre.

- Me dexe bunito pra pudê pegá muié lá no Buraco Quente - diz o cliente de Migué ao informar que o trato é intencional e que vai se divertir com as mulheres da zona da corrutela.

- Capriche ai que hoje vou na Star Night - é o que diz ao barbeiro o cliente que vai à boate do Setor Comercial.

- Passa o redondo e a féria do dia - anuncia o assante de peixeira na mão a pontar para o velho relógio Seiko do Migué e para a gaveta onde estavam as moedas ganhadas por todo o dia de trabalho.

- Cadê meu relógio? - Se pegunta o barbeiro do Onofre ao perceber que o cliente com cara de deputado lhe surrupiara o Armani depois de furtar o caixa levando umas centenas de reais.

Wanderley Lucena


Nenhum comentário: