terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

A CULPA DO IMPULSO

Raras vezes não me arrependi dos meus impulsos. Ou será que, sempre, agimos por impulso? Toda e qualquer ação seria resultado de algum impulso. Será? Somente quando nos marcam negativamente é que nos arrependemos e nos martirizamos em nossa consciência que nos acusa como se houvéssemos cometido pecado, quiçá, mortal. O tal passo que foi dado para trás é prejuízo do qual insistimos em cobrar-nos. Não nos perdoamos por termos nos causado o dano. E sabe... esse auto-martírio vira vício dos mais difíceis de se abandonar. A culpa também vira também impulso compulsivo. 

Wanderley Lucena

Nenhum comentário: