quinta-feira, 27 de outubro de 2011

CIÚMES


Corta como navalha
Incomoda como ferida que não cicatriza
Atordoa como murro pesado, bem dado, na orelha
Me tira a razão e da cama
E faz andar sem rumo madrugada a dentro 
Causa repulsa como se escatológico
Me cega com tarja escura
Me prende e me impede movimentos livres
Veneno que estrebucha para só então matar
Espraguejo e lanço maus agouros que assustariam qualquer bruxa


...e depois, me chegas sorrindo e tudo se esvai.

Wanderley Lucena



Um comentário:

VeraBruxa disse...

Passo prá dizer olá e divulgar trabalho da minha nora: www.buchholz.com.br
Maus agouros assustam a mim, bruxa (de mentirinha)... Como podemos ser tão contraditórios na arte de amar...
Abração.