quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

DOR SEM DÓ




Dor Sem Dó


Ele chora lágrimas
nunca vistas,
não contidas,
escuras,
suas.
Só o seu coração,
a sua lágrima.
Desce quente, rolando...
deixando o caminho quente.
Cai só,
com nariz arrebitado,
sem soluço para acompanhar.
Provocada com dor pela dor sem dó,
com e sem nó.
Só ele sabia o porquê da dor,
da lágrima.
Não queria colo, interferência,
não queria compartilhar.
Só, ele só queria chorar.


W. Lucena

Nenhum comentário: